Deep below,
Each word gets lost in the echo
Domingo, 8 de Janeiro de 2012

Palavras Soltas#35

Saíram com uma breve e espontânea troca de olhares, embrenhados na profundidade do que liam nos espectros mudos dos seus olhos que serpenteavam o ar, e que os fazia encher o peito e respirar fundo. Sorriram muito cúmplices, como se partilhassem calados uma piada privada e assim caminhavam lado a lado, sem se tocarem rua abaixo. Ele estava de facto habituado às perseguições constantes e diárias; mas ela parecia alheia ao rebuliço do outro lado da rua ou mesmo nas suas costas, como se por instantes houvesse esquecido que Tom não gozava em pé de igualdade do seu anonimato. O moreno, que levava as mãos escondidas nos bolsos do casaco, obrigou-se a desabrigá-las quando olhou por cima do ombro e se apercebeu dos flashes que procuravam com alguma curiosa intensidade saber quem era a rapariga que o acompanhava. Se era a que o deixara despedaçado e o fizera quase desistir de tudo ou se por algum motivo ultrapassara a dor ao lado de outra mulher. O que para ele próprio nem fazia muito sentido, porque nunca se imaginara sem aquela mulher tão genuína, pela qual se fazia acompanhar. Mas eles não sabiam disso e não tinha intenção de a revelar sem o seu consentimento. Do seu ponto de vista, eles apenas precisavam saber que refizera a sua vida e que independentemente do BI de Camilla, ela era a tal. Oh, eles também não davam cinco tostões por essa informação, Tom sabia que não cessariam os flashes e a invasão à privacidade de ambos enquanto não soubessem tudo acerca dela. Franziu o cenho meio aborrecido e aproximou-se em silêncio da namorada, passando o braço mais próximo por cima dos ombros dela. Camilla estremeceu. Depois ergueu o rosto um pouco confusa, afinal, eles tinham combinado e optado pela descrição sempre que se encontrassem em plena via pública, o problema desse acordo é que… ele não poderia durar para sempre, quanto mais não fosse pelo facto de a verem sempre com o guitarrista. Procurou alguma distância; mas viu-se de repente presa pelo braço dele e pela mão que se firmava com delicadeza sobre o seu braço. O seu corpo foi impelido pelo rapaz a juntar-se ao dele e apesar da dificuldade em resistir não conseguia evitar tentar separar-se dele e foi quando ele riu naquele seu tom muito rouco, sedutor e divertido. Camilla ergueu uma sobrancelha e mordiscou-lhe um mamilo indignada, fazendo-o encolher-se. Depois, ao contrário do que previra, ele apenas voltara a gargalhar, levando-a a crer que o beliscão parecia apenas ter-lhe feito um par de cócegas.
- Vem cá, amor. – Murmurou-lhe embevecido, com aquele olhar deliciado que empregava sempre que a mirava. – Estão a tentar mostrar ao resto do mundo algo só meu. – E inclinou a cabeça discretamente para o outro lado da rua, de forma a fazê-la ver o porquê do seu gesto meigo pouco antes.
- Perco a noção das coisas quando estou contigo, é doentio. – Murmurou-lhe fustigada pela sua própria distracção.
– Toma. – Disse-lhe, despindo o casaco para lho oferecer a ela. – Veste e volta para junto de mim.
Camilla sorriu e vestiu o casaco que era quase três vezes maior que ela própria e depois abraçou-se ao tronco do guitarrista, que lhe emprestou de bom grado o conforto dos seus braços depois de lhe colocar o gorro do casaco na cabeça. Havia nele – e no casaco – aquele odor viciante que parecia congelar-lhe o cérebro, que a fazia perder o raciocínio correcto das coisas; ou mesmo esquecer o bom senso. Parecia sempre que o seu corpo respondia ou correspondia à sua presença de forma efusiva, desejando-o contidamente em pensamento. Claro que, desejava-o de várias maneiras, como homem, como companheiro…tinha sede das suas carícias, saudades inconstantes dos seus beijos intensos e apaixonados que pareciam sempre engoli-la. Desejava-o com uma força soberba que jamais achara ser possível desejar alguém. E então, voltaram a ficar em silêncio porque diziam o suficiente quando traduziam o silêncio em gestos, mesmo que eles passassem despercebidos aos demais.

tags:
publicado por a.nee às 22:05
link do post | comentar | favorito
7 comentários:
De May a 8 de Janeiro de 2012 às 22:24
ooooh :)


De caty a 8 de Janeiro de 2012 às 23:12
Olá
Gostei do texto, espero que chegue o fim do mês para tu ficares mais sossegada sem tantos trabalhos.
Bjs 


De skully a 9 de Janeiro de 2012 às 01:22
Gostei! =D
Eu gosto sempre quando o Tom mostra o seu lado mais carinhoso xD


De Sofia_Oliveira a 9 de Janeiro de 2012 às 16:42
Oh, gostei tanto *.*


De Mars. a 9 de Janeiro de 2012 às 16:54
gostei imenso :)


De • Smartie a 9 de Janeiro de 2012 às 18:28
Awww, que fofinhos :) Gostei imenso *-*


De s a 9 de Janeiro de 2012 às 20:58
Ai adorei, a sério!


Comentar post

The Only Exception


Nathan Vanderbilt tinha uma vida normal - até ao dia em que conheceu o seu pior pesadelo: Louise McKenzie. Sério, frio, calculista, prepotente e irrepreensivelmente inteligente e popular no colégio; enquanto Louise não passa de uma rapariga normal com notas medíocres; sonhadora, sensível, intensa e verdadeira espera reunir as condições necessárias para se aproximar do coração enregelado do filho mais velho dos Vanderbilt a quem nunca nenhuma namorada se lhe conheceu. Numa luta interior constante, Nathan irá perceber que não tem como fugir á realidade, à novidade e aquilo que sente pela filha do melhor amigo do pai.

SOBRE A HISTÓRIA.


Profile

Ana. 29 anos. Licenciada em Engenharia Informática. Seguros. Música. Ler. Escrever. 30 Seconds To Mars. Aaron Yan. Muse. Linkin Park. Green Day. Three Days Grace. Snow Patrol. Kings Of Leon. Paramore. Game Of Thrones. Switched At Birth. Suits. Once Upon a Time. Teen Wolf. Heart Of Dixie. Covert Affairs. Arrow. The Flash. Bones. Hawaii Five-O. Nashville. The Fosters. KDrama.


Linkage

The Only Exception Palavras Soltas Filmes Séries KDrama


Credits

Layout Lettha
Icon TFN
Colors Colorpicker
ADAPTAÇÃO POR: anaap.



SEGUIR PERFIL