Deep below,
Each word gets lost in the echo
Quinta-feira, 28 de Agosto de 2014

The Only Exception | 6

Louise saiu apenas com algum dinheiro na mala para o uniforme e para os títulos de transportes. Com uma expressão carregada e algo perturbada percorreu as ruas de Queens, numa tentativa imbecil de se situar sem a ajuda de terceiros. Claro que daquela forma levaria mais tempo a chegar ao destino que tinha em mente: Manhattan. Depois de fazer um breve reconhecimento local achou finalmente o letreiro do metropolitano ao erguer o olhar para o céu enublado. Com um suspiro desceu as escadas.

Depois de ver mais de uma dúzia de mapas do metropolitano e de trocar uma quantidade considerável de vezes de comboio, chegou finalmente a Manhattan. Os passos de pessoas que se atropelavam umas às outras e o barulho ensurdecedor comum de uma grande metrópole abraçaram-na à saída. Ah! Pensava eufórica. Inclinou a cabeça para trás e de olhos fechados sorriu satisfeita. Havia um burburinho como música de fundo agradável aos seus ouvidos. Jamais pensara ser possível viver o suficiente para chegar onde estava.

Passeou pelas ruas da cidade com um papel amarrotado nas mãos onde escrevinhara a morada do colégio. De qualquer forma os seus olhos pareciam mais interessados nas montras de comércio. Sem noção do tempo que perdera e com quase duas horas de caminhada, decidiu parar para depois perceber que se tinha perdido. Óptimo.

Com um esgar infeliz e agarrada aos cabelos em pânico, decidiu-se finalmente por uma abordagem directa a quem quer que por si passasse. Virou-se bruscamente e quase preguiçosamente, quando um dos seus braços estremeceu violentamente de encontro a alguém. Fez um trejeito culposo e baixou o rosto e o olhar para os pés.

- Desculpe. – Disse baixinho.

Silêncio. Naquele momento, pareceu-lhe que metade da cidade parara apenas para observar aquele seu incidente. Mais silêncio. E cada vez mais perturbador. Endireitou o corpo e levantou o olhar. O que se passou depois foi tão constrangedor que pela primeira vez percebeu o significado da frase “se tivesse um buraco escondia-me.”. Dois rapazes de uniforme olhavam-na com desagrado. Um permanecia impavidamente agarrado ao rosto marcado pela sua mão com uma expressão de dor e irritação. Tinha os cabelos negros e muito bem arranjados e uns olhos muito familiares. O outro era loiro e olhava-a com desconfiança.

- Sua destrambelhada. – Respingou o moreno por entre dentes. – Isso é jeito de andar na rua?

- Desculpa. Posso fazer alguma coisa por ti?

- Não! – Exclamou prontamente num tom desagradável. Porém, a sua expressão parecia agora indecifrável e indiferente como ela fosse um insecto insignificante que precisava ser exterminado. – Acho que já fizeste o suficiente.

Louise emudeceu-se e aquietou-se sem tecer mais comentário algum. Por norma, era uma pessoa muito expressiva; mas sentia que naquele momento não tinha nada para dizer, a não ser pedir desculpa vezes e vezes sem conta. Mas atendendo às circunstâncias, já nem isso tinha vontade de fazer. Ele não merecia. Não estava habituada à frieza e indiferença das pessoas, nunca fora tratada daquela forma, por isso, sentia-se ultrajada.

- Quão estúpida, tu pensas que eu sou para me tratares dessa forma? – Perguntou aborrecida.

- Estúpida? Não! – Disse serenamente sem se mostrar afectado. – Idiota talvez. Raphael, vamos embora.

O outro aquiesceu e seguiu atrás do amigo num cochicho fervoroso.

- Tens a cara inchada. – Ria divertido. – Como te sentes ao levar o teu primeiro murro?

- Cala-te. – Resmungou por entre dentes.

Louise permaneceu imóvel, vendo-os partir. Havia algo de muito errado naquela fotografia. Nunca se sentira tão menosprezada como naquele momento, talvez a sua inocência fomentasse a sua fraca capacidade de discernimento em situações como aquela. Lentamente retomou a marcha e mais adiante onde os dois rapazes haviam desaparecido, reparou no letreiro junto aos portões. Olhou para o papel que ainda trazia na mão e depois novamente para o letreiro e sorriu.

- É aqui. – Murmurou.

A fachada do edifício era caracterizada por uma beleza arquitectónica já muito antiga. Entrou num passo incerto, observando tudo quanto a rodeava. O interior, ao contrário da fachada principal do edifício estava modernizado e pareceu-lhe cómodo. O hall onde se encontrava dava-lhe acesso a vários lugares distintos. Por isso, podia dizer-se perdida. Virou à esquerda, passando por uma fileira de armários pessoais agarrados às paredes sem saber para onde realmente seguia. Perguntar a alguém revelava-se agora uma tarefa complicada, porque estava sozinha. Curiosamente o silêncio parecia imperar por todo o edifício naquele exacto momento.

Quando se preparava para voltar tropeçou na rapariga que corria naquela mesma direcção.

- Duas vezes no mesmo dia é muita falta de sorte. – Murmurou tristemente esfregando a cabeça.

- Estás bem?

Louise levantou o rosto e pela primeira vez sentiu que era bem-vinda. A rapariga sorria-lhe simpaticamente.

- Sim.

- Pareces perdida. – Disse. – És nova aqui! – Exclamou distraída, enquanto a mirava. Louise balançou a cabeça. – Turma?

- Na verdade ainda não sei. – Respondeu. – Acabei de chegar de Jacksonville.

- Hum! O meu nome é Claire Martin. – Começou por dizer, estendendo-lhe a mão. – Jacksonville, Jacksonville. – Murmurava pensativa, procurando entender onde foi que ouvira aquele nome. – Ah! – Exclamou, após um momento de reflexão. – Só podes ser a Louise.

Louise arregalou os olhos.

- O quê? – Perguntou atrapalhada. – Como é que tu-

- O director de turma anunciou ontem a tua chegada. – Respondeu interpelando-a propositadamente. – És da minha turma, vem comigo.

Louise suspirou e soltou uma interjeição aborrecida. Algo lhe dizia que não iria gostar do que se seguia. Claire segurou-a pela mão e arrastou-a pelo corredor fora numa corrida muito breve até chegar à penúltima porta daquele corredor. Dois toques com os nós dos dedos da sua mão livre anunciaram a sua chegada e após uma breve fracção de segundos, ela entrou com Louise no seu encalço. Absolutamente embaraçada, Louise lembrou-se apenas de fitar o chão quando sentiu que demasiados pares de olhos estavam sobre si.

- Presumo, que

- Encontrei a Louise perdida no corredor. – Respondeu a colega prontamente, provocando uma risada desconfortável por parte dos restantes colegas.

Louise sentiu o rosto inflamar e quando ergueu os olhos para enfrentar a turma, engoliu em seco ao vê-lo sentado na última secretária com um ar desdenhoso, hirto, muito sério e pouco interessado na sua chegada. Não pode ser. Pensou para consigo.

 

Estou a tentar juntar os pedacinhos adjacentes de ideias que me ocorrem para conseguir algo razoável. Estou com um pequeno bloqueio. Vamos ver.

publicado por a.nee às 20:39
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De • Smartie a 28 de Agosto de 2014 às 21:28
Parece-me que ela encontrou o Nate! E, se foi mesmo ele, não correu lá muito bem... :\
Mais :D
Beijinhos*


De summer wright a 28 de Agosto de 2014 às 21:37
fartei-me de rir com este capítulo! a rapariga é um pouco desastrada.


De sacha hart a 29 de Agosto de 2014 às 23:53
Adorei o fascinio da Louise por Nova Iorque e o primeiro (quase de certeza) encontro/esbarramento com o Nate. Foi muito giro. Gostei muito e estou realmente a gostar cada vez mais desta história à medida que a vais postando.


Comentar post

The Only Exception


Nathan Vanderbilt tinha uma vida normal - até ao dia em que conheceu o seu pior pesadelo: Louise McKenzie. Sério, frio, calculista, prepotente e irrepreensivelmente inteligente e popular no colégio; enquanto Louise não passa de uma rapariga normal com notas medíocres; sonhadora, sensível, intensa e verdadeira espera reunir as condições necessárias para se aproximar do coração enregelado do filho mais velho dos Vanderbilt a quem nunca nenhuma namorada se lhe conheceu. Numa luta interior constante, Nathan irá perceber que não tem como fugir á realidade, à novidade e aquilo que sente pela filha do melhor amigo do pai.

SOBRE A HISTÓRIA.


Profile

Ana. 29 anos. Licenciada em Engenharia Informática. Seguros. Música. Ler. Escrever. 30 Seconds To Mars. Aaron Yan. Muse. Linkin Park. Green Day. Three Days Grace. Snow Patrol. Kings Of Leon. Paramore. Game Of Thrones. Switched At Birth. Suits. Once Upon a Time. Teen Wolf. Heart Of Dixie. Covert Affairs. Arrow. The Flash. Bones. Hawaii Five-O. Nashville. The Fosters. KDrama.


Linkage

The Only Exception Palavras Soltas Filmes Séries KDrama


Credits

Layout Lettha
Icon TFN
Colors Colorpicker
ADAPTAÇÃO POR: anaap.



SEGUIR PERFIL