Deep below,
Each word gets lost in the echo
Sábado, 23 de Agosto de 2014

The Only Exception | 3

O seu corpo acompanhou o pai até à entrada da moradia sem se dar conta. O braço dele passava por cima dos seus ombros de forma instintiva e algo protectora como sempre fazia. Era reconfortante. Depois, sentiu-se trespassada por um desconforto inexplicável que a levou a esconder o corpo atrás de Garey. Foi então que a porta se abriu e um senhor de estatura média e bem-parecido apareceu. Havia vestígios de barba no seu rosto e um sorriso confidente e caloroso nos seus lábios que lhe transmitiam segurança.

- Garey, meu amigo. – Disse satisfeito, aproximando-se para lhe dar um abraço. – Lamento muito.

Garey sorriu.

- É, eu também. – Disse. – De qualquer forma eram inevitáveis os estragos. Obrigado por nos receberes tão prontamente na tua casa.

- Ora essa Garey. O tempo e as circunstâncias levaram-nos por caminhos diferentes; mas nunca me esqueci de ti.

- Obrigado. – Respondeu, sorrindo agradecido. Depois olhou para Louise que estava encolhida atrás de si e puxou-a por um braço. – Esta é a minha filha, Louise.

Thomas abriu a boca um pouco espantado e Louise sorriu embaraçada. Não gostava quando faziam de si o centro das atenções. O elegante empresário saiu ao seu encontro e estendeu-lhe a mão para a cumprimentar. O toque firme da mão dele sobre a sua tão delicada fê-la estremecer.

- Só vi a tua mãe uma vez; mas ao olhar para ti pude ver um retrato muito idêntico da Reiko. – Disse entusiasmado. – Garey, jamais esquecerás a Reiko.

Garey balançou a cabeça. Um rasgo de tristeza misturado com a emoção de ter uma filha tão especial tornou-se evidente no seu rosto repleto de finas rugas. Louise era trapalhona, não tinha boas notas, metia os pés pelas mãos, era precipitada a tirar conclusões; mas era um doce de menina, apaixonada pela vida e carinhosa como Reiko. Para ele era especial.

- Eu sei. – Respondeu, parecendo algo distante. Depois olhou para a filha. – Louise diz qualquer coisa.

A rapariga balbuciou atrapalhada algo difícil de entender e logo se emudeceu. Não sabia o que dizer, embora estivesse ciente de que um simples obrigado seria suficiente para começar. Thomas gargalhou simpaticamente e afastou-se, como que adivinhando o desconforto que a sua proximidade estava a provocar em Louise. Ela respirou fundo e agora recomposta olhou frontalmente para o amigo de Garey e sorriu.

- Obrigado por nos receber na sua casa.

- De nada, querida. – Respondeu prontamente com um sorriso familiar nos lábios. – Agora vamos entrar, a Letizia está ansiosa para vos rever.

Louise seguiu atrás de Garey com a mala dos documentos de ambos nas mãos. Pararam no hall por breves instantes; mas onde realmente se instalaram por algum tempo foi na sala de estar repleta de fotografias. Com uma decoração moderna muito recente, a sala onde recebiam as visitas tinha um ambiente familiar e aconchegante. As cores estavam balanceadas de forma perfeita entre o branco e o preto e tudo se interligava como se tivesse sido desenhado de propósito só para aquela divisão.

Distraída, Louise percorreu o cómodo, inevitavelmente rendida aos retratos pintados e às fotografias de família. Isso lembrava-a de que não restavam fotografias nenhumas da sua família e de que quase perdera a vida para recuperar a única fotografia que tinha da mãe. De qualquer forma, aquelas tinham um toque muito pessoal. Quase que podia jurar que sentia vontade de chorar. Voltou novamente a atenção para as fotografias. Algumas prenderam a sua atenção por instantes; mas só uma fizera o seu coração palpitar. As primeiras fotografias eram mais antigas e pareciam ordenadas por anos, talvez por isso não tivessem causado tamanha sensação de desequilíbrio emocional, como quando se detivera naquela última.

Thomas e Letizia tinham dois filhos com uma diferença de idades considerável. Um rapaz – o primogênito – e uma rapariga – mais nova. Apesar das diferenças evidentes entre ambos, as semelhanças entre eles também se tornavam muito claras quando observados de perto. Pareciam muito sérios, não só naquela fotografia; mas em todas, vestiam-se bem e mostravam-se frios e superiores em todas elas. O gelo no olhar de ambos fizeram-na pensar duas vezes numa primeira abordagem sem se envergonhar; mas depois de algum tempo concluíra que por mais que se esforçasse jamais estaria ao nível deles e que com toda a certeza faria ou diria algo que acabaria por deixá-la mal vista por ambos.

O reboliço esbaforido à entrada da sala desviou a sua atenção. Agradecida sorriu. Ao olhar viu uma senhora algo despenteada tentando recuperar o fôlego. Quando ela se recompôs, Louise arregalou os olhos encantada. Ela era tão bonita e o seu sorriso era simpático e acolhedor. Mãe. Pensou de lágrimas nos olhos. Ela fazia-a lembrar da mãe. O seu entusiasmo era quase tão contagiante como o entusiasmo de Reiko. Quando os olhares de ambas se cruzaram, Louise quase perdeu o equilíbrio.

 

Mais um rascunho. Não está fácil, por isso mais uma vez digo... vamos ver se consigo dar continuação.

publicado por a.nee às 22:08
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De • Smartie a 23 de Agosto de 2014 às 23:23
Aww, não podias ter acabado isto assim! Estou muito curiosa :3


De summer wright a 24 de Agosto de 2014 às 14:38
eu repito-me e torno a repetir-me, mas gostei muito.
estou curiosa para saber como será a nova vida de louise e a relação dela com os filhos do amigo do pai. cheira-me a romance.


Comentar post

The Only Exception


Nathan Vanderbilt tinha uma vida normal - até ao dia em que conheceu o seu pior pesadelo: Louise McKenzie. Sério, frio, calculista, prepotente e irrepreensivelmente inteligente e popular no colégio; enquanto Louise não passa de uma rapariga normal com notas medíocres; sonhadora, sensível, intensa e verdadeira espera reunir as condições necessárias para se aproximar do coração enregelado do filho mais velho dos Vanderbilt a quem nunca nenhuma namorada se lhe conheceu. Numa luta interior constante, Nathan irá perceber que não tem como fugir á realidade, à novidade e aquilo que sente pela filha do melhor amigo do pai.

SOBRE A HISTÓRIA.


Profile

Ana. 29 anos. Licenciada em Engenharia Informática. Seguros. Música. Ler. Escrever. 30 Seconds To Mars. Aaron Yan. Muse. Linkin Park. Green Day. Three Days Grace. Snow Patrol. Kings Of Leon. Paramore. Game Of Thrones. Switched At Birth. Suits. Once Upon a Time. Teen Wolf. Heart Of Dixie. Covert Affairs. Arrow. The Flash. Bones. Hawaii Five-O. Nashville. The Fosters. KDrama.


Linkage

The Only Exception Palavras Soltas Filmes Séries KDrama


Credits

Layout Lettha
Icon TFN
Colors Colorpicker
ADAPTAÇÃO POR: anaap.



SEGUIR PERFIL