Deep below,
Each word gets lost in the echo
Segunda-feira, 25 de Agosto de 2014

The Only Exception | 4

Agarrada às costas de um dos sofás, Louise permitiu-se abraçar pela senhora Vanderbilt que entusiasmada a esmagava agora junto ao seu peito. Enternecida, agarrou-se a ela com força, agradecendo a simpatia. Por instantes, pôde sentir-se em casa, mesmo sendo aquele o seu primeiro dia ali. Quando finalmente se separaram Louise sorriu e baixou o rosto, um pouco embaraçada, afinal era uma pessoa fácil de agradar.

- A última vez que te vi ainda eras um bebé. – Balbuciou agitada, amordaçando-lhe carinhosamente o rosto com a ponta dos dedos para a decorar. – Estás tão bonita, Meiko! Posso chamar-te Meiko?

Louise balançou a cabeça e sorriu. Ninguém a tratava por Meiko, nem mesmo o pai; mas sentia que podia abrir uma excepção para ela por sentir que lhe era tão familiar.

- Meiko está perfeito.

- Ou preferes Louise? – Perguntou intrigada ao ver o rosto de Garey quase transparente.

- A minha mãe tratava-me por Meiko. – Segredou-lhe.

- Oh! – Exclamou atrapalhada. Não tinha intenção de trazer para o presente os fantasmas do passado de Garey. – Louise então. – Decidiu-se por fim. – O meu nome é Letizia. – Sorriu. Depois olhou para Thomas com um ar travesso, cheio de intenção. – Não achas que é perfeita para o Nate, querido?

Louise retesou-se absolutamente chocada. O quê? Algo dentro de si gritava em meio ao pânico. De olhos arregalados olhava do pai para Thomas e de Thomas para Letizia, tentando perceber de onde é que aquela ideia disparatada havia saído, no entanto, sem sucesso. Aquela brincadeira não tinha piada nenhuma. Como poderia alguém saltar para uma conclusão tão precipitada como aquela quando ainda nem havia conhecido Nate. Aliás, quem era Nate? O seu estômago quase teve um colapso nervoso quando Thomas gargalhou divertido.

- Eu acho que isso deve ser ele a decidir.

Letizia cruzou os braços e virou o rosto para Louise que tropeçou nos próprios pés e quase caiu de rabo no chão.

- Eu… Eu… – Louise balbuciava atrapalhada. – Mas que brincadeira vem a ser essa? Nate? Quem é esse?

 Letizia deixou escapar uma gargalhada cheia de segundas intenções, boas intenções cria ela, enquanto a mirava de forma estudiosa. Sentia-se despida quando Letizia o fazia e de alguma forma apercebia-se de que não o poderia evitar mesmo que quisesse. Letizia parecia ter ideias fixas.

- Terás oportunidade de o conhecer mais logo. – Começou por dizer verdadeiramente entusiasmada. – Agora vem, senta-te. Tu também Garey, a nossa casa é a vossa casa de agora em diante. Vou trazer-vos algo para comerem.

Deixou-os sozinhos por instantes e quando voltou trazia nas mãos dois tabuleiros com waffles, panquecas, leite, sumo e alguns biscoitos de manteiga. Louise sorriu, se havia alguma coisa que sabia e gostava de fazer era comer; mas comer boa comida e aquelas waffles tinham um aspecto delicioso. Olhou para Garey, depois para Thomas e Letizia que sorriram e incitaram-na a servir-se sem cerimónia.

- Obrigado. – Disse animada, inclinando a cabeça antes de se atirar a uma waffle simples. Degustou-a de olhos fechados e sorriu. – Está tão boa. – Murmurou, tirando uma panqueca para o prato. Bebericou um pouco de leite e trincou a panqueca. – Hum… que panqueca deliciosa.

Garey gargalhou divertido.

- É das poucas coisas em que ela é boa. Degustação de boa comida.

Louise franziu o cenho.

- Papá! – Exclamou em tom de protesto, limpando a boca a um guardanapo. – Também sei fazer outras coisas.

Garey riu. Depois de se empanturrar até não poder mais, Letizia arrastou-a por uma mão até aquele que seria o seu quarto dali em diante. Enquanto percorriam o corredor, ia fazendo um reconhecimento mental à casa com a ajuda de Letizia; mas no final apercebeu-se de que as únicas portas que havia decorado, eram a sua e curiosamente a de Nate que era imediatamente ao lado.

- Espero que gostes. – Letizia começou por dizer, abrindo então a porta do quarto para entrarem. – Fizemos o melhor que conseguimos com o tempo que tínhamos.

- Não era muito, eu sei – Disse, interrompendo-se de imediato ao colocar os pés no cómodo que seria seu. Cor-de-rosa e branco eram as cores dominantes. O ambiente era feminino e um pouco infantil; mas gostava por sentir que uma parte de si tinha necessidade daquele tipo de atenção. – Ah! – Guinchou de mãos na boca, rodando sobre os pés para ver tudo ao pormenor. – Nunca tive um quarto assim. É tão bonito.

- Espero que não esteja demasiado infantil. – Murmurou para consigo. – A minha Ellen já não me deixa tomar estas decisões por ela, com dez anos comporta-se como se tivesse trinta.

Louise abanou a cabeça e aproximou-se de um urso de pelúcia adorável. Ellen! Registou atenta. Também não conhecia nenhuma Ellen; mas deduziu que fosse a rapariga das fotografias que observara na sala de estar. Depois olhou para Letizia por cima do ombro com um sorriso meigo e compreensivo. De alguma forma, a sua estada ali alimentava a necessidade de cuidar e zelar de Letizia. Algo lhe dizia que Ellen e Nate não eram muito dados, aquele tipo de atenção.

- Eu gosto. – Respondeu somente, distraindo-se com as diversas peças decorativas. – Obrigado.

 

Tenho de ver se arranjo um título para esta coisa. Tenho de pensar. Para já continua indefinido.

publicado por a.nee às 20:04
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De • Smartie a 25 de Agosto de 2014 às 21:07
Aww, gosto muito da Letizia :) Parece ser uma óptima pessoa e está a ser muito querida para a Louise!


De summer wright a 25 de Agosto de 2014 às 22:09
outro capítulo! que bom.
eu até sugeria um título, mas não tenho jeito nenhum. boa sorte com a escolha.


De sacha hart a 25 de Agosto de 2014 às 23:28
Mais uma vez deliciei-me a ler o capitulo!
Ganhei uma empatia enorme pela Louise e estou curiosa por saber mais da sua história, principalmente o passado e a mãe. 


Comentar post

The Only Exception


Nathan Vanderbilt tinha uma vida normal - até ao dia em que conheceu o seu pior pesadelo: Louise McKenzie. Sério, frio, calculista, prepotente e irrepreensivelmente inteligente e popular no colégio; enquanto Louise não passa de uma rapariga normal com notas medíocres; sonhadora, sensível, intensa e verdadeira espera reunir as condições necessárias para se aproximar do coração enregelado do filho mais velho dos Vanderbilt a quem nunca nenhuma namorada se lhe conheceu. Numa luta interior constante, Nathan irá perceber que não tem como fugir á realidade, à novidade e aquilo que sente pela filha do melhor amigo do pai.

SOBRE A HISTÓRIA.


Profile

Ana. 29 anos. Licenciada em Engenharia Informática. Seguros. Música. Ler. Escrever. 30 Seconds To Mars. Aaron Yan. Muse. Linkin Park. Green Day. Three Days Grace. Snow Patrol. Kings Of Leon. Paramore. Game Of Thrones. Switched At Birth. Suits. Once Upon a Time. Teen Wolf. Heart Of Dixie. Covert Affairs. Arrow. The Flash. Bones. Hawaii Five-O. Nashville. The Fosters. KDrama.


Linkage

The Only Exception Palavras Soltas Filmes Séries KDrama


Credits

Layout Lettha
Icon TFN
Colors Colorpicker
ADAPTAÇÃO POR: anaap.



SEGUIR PERFIL